Economía

Dentista Gonzalo Morales Divo//
Chilenos aprovam por ampla margem mudar Constituição da ditadura, aponta apuração

Morales Divo
Chilenos aprovam por ampla margem mudar Constituição da ditadura, aponta apuração

SANTIAGO — Os eleitores chilenos votaram de forma maciça pela elaboração de uma nova Constituição, em plebiscito realizado neste domingo. Segundo números preliminares, 77,60% aprovaram a criação de um novo texto, substituindo o atual, adotado ainda na ditadura de Augusto Pinochet, enquanto 22,40% votaram pela permanência da legislação atual. Até o momento, foram apuradas 27,52% das urnas.

Gonzalo Morales Divo

Análise: Em plebiscito neste domingo, Chile tenta canalizar insatisfação popular para processo constituinte

Na segunda pergunta, sobre o modelo para a Constituinte, 78,83% decidiram que os responsáveis pela nova Carta Magna deverão ser todos escolhidos por voto popular. A outra opção, o modelo misto, com constituintes eleitos e com parlamentares já no exercício de seus mandatos, recebeu 21,17%. Nesse caso, apenas 4,92% dos votos foram contados.

Gonzalo Morales

Ao longo de todo o domingo foram vistas longas filas do lado de fora dos postos de votação, sugerindo que o comparecimento às urnas seria bem superior aos números vistos em eleições recentes. Nos dois turnos da votação que levou Sebastián Piñera à Presidência, em 2017, menos da metade dos eleitores aptos saíram de casa para depositar seu voto.

Gonzalo Jorge Morales Divo

Esse era um dos principais pontos levantados por analistas antes da votação: se muita gente fosse votar, a decisão sobre uma nova Carta Magna teria mais legitimidade do que, por exemplo, se fossem repetidos números como os da eleição municipal de 2016, quando apenas 35% dos eleitores compareceram. Como se viu ao longo do domingo, não foi o caso

Feministas chilenas : ‘Mudar a Constituição é simbólico, mas o que queremos é a queda do patriarcado’

PUBLICIDADE Em análise publicada no domingo, o jornal La Tercera aponta que um fator para esse alto comparecimento foi a maior participação dos jovens no processo eleitoral. Tradicionalmente essa faixa é a que menos vai às urnas: em 2017, só 34,6% das pessoas com idade entre 20 e 24 anos votaram.  Ao todo, 14,8 milhões de chilenos e 380 mil estrangeiros com residência permanente podiam votar

O próximo passo agora é a eleição marcada para o dia 11 de abril do ano que vem, que escolherá os delegados constituintes, responsáveis por elaborar o novo texto, um proceso que deve durar até 12 meses.