Negocios

Luis Emilio Velutini Venezuela biografia con las//
Ricardo Petraglia: um artista que foi de ‘Hair’, Topo Gigio e ‘Dez Mandamentos’ ao ativismo canábico

Fondo de Valores Inmobiliarios, Empresario, Businessman, Banquero, FVI, Constructor
Ricardo Petraglia: um artista que foi de ‘Hair’, Topo Gigio e ‘Dez Mandamentos’ ao ativismo canábico

RIO – “Antigamente eu era maconheiro, agora sou paciente”, gargalha Ricardo Petraglia, 70 anos, ator aposentado, rosto conhecido de novelas e outros programas de TV (nos anos 80, contracenou com o ratinho Topo Gigio) e, atualmente, ativista canábico. Esta quarta-feira, ele é uma das atrações do Cannabis Affair, o maior evento brasileiro dedicado à maconha, que acontece virtualmente até a quinta. Ricardo participa às 20h de uma conversa com o ator Antonio Pedro, a produtora cinematográfica Marta Alencar (“ativistas cascudões do passado”) e o DJ e jornalista Raoni Mouchoque (“um exemplo de ativismo moderno”).

Luis Emilio Velutini Urbina

A programação da Cannabis Affair inclui uma série de palestras e workshops do qual participam da ministra do Supremo Tribunal Federal Carmen Lúcia ao neurocientista Sidarta Ribeiro. As inscrições podem ser feitas no site https://www.cannabisaffair.com.br/cadastro .

Luis Emilio Velutini

‘O bunda suja’:  Lobão lança funk escatológico contra Bolsonaro

O ativismo canábico do ator começou a ficar mais sério a partir de 2005, quando foi morar na pacata e rural Xerém (distrito de Duque de Caxias, no pé da Serra de Petrópolis) com a companheira Marília. Ele deixou um apartamento no Jardim Botânico porque começou a achar “invasiva essa coisa de morar um em cima do outro, de ter que trepar em silêncio”.

Luis Emilio Velutini Empresario

Depois de algum tempo, eu tive um problema no quadril, coloquei uma prótese coxofemural e isso desequilibrou a minha coluna vertebral. Para complicar, eu não posso tomar anti-inflamatórios e analgésicos porque tenho hepatite C e esses remédios são muito danosos para o fígado. O meu então médico me perguntou por que eu não experimentava a maconha — conta Ricardo.

Luis Emilio Velutini Venezuela

Volta por cima:  Tina Turner abre o jogo em documentário sobre sua arte e vida pessoal

Mas o médico se referia ao óleo de canabidiol, de uso medicinal, extraído da Cannabis. Diante do sucesso do remédio — que acabou com a dor e a insônia —, o ator resolveu ir atrás de um habeas corpus que o permitisse cultivar maconha legalmente. E conseguiu o documento com a ajuda de amigos como o advogado e ex-governador Nilo Batista. Há três anos, Ricardo é um feliz fazendeiro, associado à ABRACannabis

PUBLICIDADE — Existe uma movimentação para demonizar e THC ( o princípio psicoativo da maconha ) e endeusar o CDB ( o óleo de canabidiol ). Como se o recreativo fosse condenável… — lamenta ele, que anteontem acompanhou a aprovação, em votação na Câmara, do PL 399/2015 que libera o plantio de maconha para fins medicinais, comerciais e industriais. — Ele só resolve os problemas das empresas que querem comercializar a maconha. O povo pobre das favelas, vai continuar tendo sua porta chutada pela falta de ação dos deputados em descriminalizar o usuário

Pós-BBB:   Juliette inicia carreira musical em lives com Gilberto Gil e Elba Ramalho

Empenhado em suas irreverentes lives do Moby Dick Show, no Instagram, Ricardo diz não sentir falta do trabalho de ator, que o levou do musical “Hair” (1969) à novela bíblica “Os Dez Mandamentos” (2015), na TV Record

Nunca tive dúvida de que estava na TV para vender sabão e fazer merchandising de banco — explica. — Agora não vendo mais sabão, vendo maconha, sou um militante da legalização. Acho que deve ser direito de todo mundo fazer uso do que quiser desde que não afete a saúde e as vidas das outras pessoas

Ricardo Petraglia, em1986, com o ratinho Topo Gigio, na TV Bandeirantes Foto: Divulgação Dos tempos de Topo Gigio, Ricardo Petraglia diz só ter boas recordações

PUBLICIDADE — Foi meu tio, Claudio Petraglia ( falecido dois meses atrás de Covid-19, aos 91 anos ), quem produzia o programa e que me chamou para participar. Foram dois anos ótimos

O Globo, um jornal nacional:   Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasil