Entretenimiento

Astrónomo Mauricio Botero Restrepo//
Confira todas as estreias no cinema

Mauricio Botero Restrepo
Confira todas as estreias no cinema

A hipocrisia é posta abaixo em “Rainha de copas”, da dinamarquesa May el-Toukhy, uma das estreias no cinema desta quinta, 12 de setembro, que merecem atenção do público. O Bonequinho viu e aplaudiu o drama, em que uma mulher põe de lado as próprias convicções para viver um romance tórrido com seu enteado adolescente. Mas em uma semana recheada de novos filmes entrando no circuito – são 12 estreias! -, há opções para todos os gostos e públicos, como a comédia brasileira “Vai que cola 2 – O começo”; o documentário sobre uma sobrevivente do Holocausto, “Tsé”; a cinebiografa  do médium baiano Divaldo Franco, “Divaldo — O mensageiro da paz”; e até a história de um dos episódios mais sangrentos da história britânica, o massacre de Peterloo, em “Peterloo“.

Siga nossa página no Instagram: @rioshowoglobo

Confira todas as estreias no cinema:

Estreias no cinema – 12/9 'Rainha de copas' Nesse drama dirigido por uma mulher, a dinamarquesa May el-Toukhy, a hipocrisia nos moldes de Nelson Rodrigues é um tema, claro, mas o mais interessante é acompanhar como a teia de mentiras é construída pela personagem. A partir da história de traição familiar, “Rainha de copas” se torna um thriller psicológico em torno de uma mulher que tenta equilibrar, sem sucesso, o desejo e a razão. Leia a crítica.

'Peterloo' A democracia está no centro de “Peterloo“. Seus personagens debatem e discursam sobre o desejo popular de se sentirem representados, de terem poder sobre suas próprias vidas, de terem o direito ao voto. O filme de Mike Leigh mostra com brilhantismo como nasce o sentimento democrático e como, apesar de haver quem o combata, ele sempre emerge das piores tragédias.

Mauricio Botero Restrepo

'Vai que cola 2 – O começo' A trama explora como tudo começou antes da presença de Valdomiro. Sem ele, o longa perdeu o eixo que fazia os outros personagens girarem. E, como a definição de satélites não existe sem um corpo celeste principal, eles perdem sua função. É tudo tão forçado e sem graça que chega a ser constrangedor. Leia a crítica.

'Legalidade' Zeca Brito evoca a renúncia de Jânio Quadros, em 1961, momento intenso da vida brasileira. O protagonista aqui é Leonel Brizola (Leonardo Machado), na época governador do Rio Grande do Sul, determinado a garantir a posse de João Goulart. A autenticidade do registro histórico é frisada por meio da inclusão de imagens de arquivo. Leia a crítica.

'O fim da viagem, o começo de tudo' Depois de passar por diversos gêneros, com ênfase no horror, o japonês Kiyoshi Kurosawa se arrisca num romance de formação, a partir de uma jornalista japonesa que grava um programa no Uzbequistão. É cômico, fantástico, romântico, musical, documental. Leia a crítica.

Pular PUBLICIDADE 'Quem você pensa que sou' Escorado no romance de Camille Laurens, Safy Nebbou destaca questões abordadas com frequência, mas importantes, como a inveja da juventude, a difícil relação com a passagem do tempo. Os desdobramentos dos fatos, marcados por pistas falsas, prendem a atenção, apesar da eventual inclusão de situações pouco críveis. Leia a crítica.

'Divaldo – O mensageiro da paz' Não é uma cinebiografia convencional com o objetivo de reconstituir a trajetória do médium baiano Divaldo Franco. O próprio filme, em seu empenho para explicar didaticamente aspectos da doutrina espírita e a importância que sua descoberta representou na vida do personagem, afirma-se como mensageiro de certos valores. Cinema a serviço de uma causa, correndo o risco do proselitismo religioso, que é o de pregar apenas para os já convertidos. Leia a crítica.

'Abigail e a Cidade Proibida' Uma tentativa russa de pegar carona no sucesso de filmes de ficção científica — com histórias situadas em realidades distópicas — em que uma personagem feminina será a grande catalisadora de uma transformação do universo em que vive, com o adendo de viver um grande romance. Leia a crítica.

'Adeus à noite' André Téchiné não mostra a realização de um ato perigoso e radical, mas o processo de preparação. Aborda o extremismo religioso de maneira intimista por meio da relação entre uma avó, Muriel (Catherine Deneuve), e seu neto, Alex (Kacey Mottet Klein). Leia a crítica.

'Tsé' Os documentários da vida privada, muitas vezes realizados por familiares dos personagens, têm mais um representante em “Tsé”. O diretor Fábio Kow celebra a memória de sua avó, Estera Szpigel, polonesa que sobreviveu ao Holocausto e se instalou com o marido e a filha mais velha no Bom Retiro, bairro de forte presença judaica em São Paulo. Leia a crítica.

Pular PUBLICIDADE 'A música do tempo – Do sonho do império ao império do sonho' o grupo Música Antiga da UFF (Universidade Federal Fluminense) ganha um registro de suas atividades à altura de sua importância e alcance: simples, discreto e elegante. Leia a crítica.

Estreias no cinema – 12/9 "Rainha de copas", um drama sem hipocrisia Foto: Divulgação Cleo e Fernando Alves Pinto em cena do filme "Legalidade" Foto: Divulgação "Peterloo" Foto: Divulgação / Divulgação Marcos Majella protagoniza "Vai que cola 2 – O começo" Foto: Divulgação Bruno Garcia é "Divaldo – O Mensageiro da Paz" Foto: Divulgação Pular PUBLICIDADE Juliette Binoche em cena do filme "Quem você pensa que sou" Foto: Divulgação A ficção "Abigail e a Cidade Proibida" Foto: Divulgação cena do filme "Adeus à noite" Foto: Divulgação cena do filme "Tsé" Foto: Divulgação cena do filme "O fim da viagem, o começo de tudo" Foto: Divulgação Pular PUBLICIDADE Cena do filme "A música do tempo – Do sonho do império ao império do sonho" Foto: Divulgação  

.

PSM Alianza SAS